sexta-feira, 5 de agosto de 2011

E quando o bebê não quer mamar?

Como todo mundo está comentando nessa imensa blogsfera, essa é a semana mundial da amamentação. Eu estou um pouco atrasada para falar sobre isso, mas é um assunto muito bacana para deixar passar. Então, antes tarde do que nunca!!!

Por conta do problema respiratório que a Amelie teve ao nascer, eu não pude amamentá-la nos primeiros dias de sua vida. Mas assim que a médica autorizou, fiquei imensamente feliz em poder amamentar o meu bebê. Meu seio estava uma coisa linda, grande e cheio de leite. Mas a pequena era preguiçosa, não acordava para as mamadas e eu tinha que estimulá-la toda vez que dava a hora de mamar até que ela pedisse o seio por conta própria.

Eu sempre oferecia o seio quando ela queria, mesmo que isso significasse acordar 50 vezes durante a madrugada. Mas com o passar do tempo, a Amelie foi desgostando da coisa. Para piorar, duas semanas antes de a minha licença-maternidade terminar (voltei quando a Amelie completou cinco meses), meu leite sumiu. Eu estava muito ansiosa, nervosa e apreensiva em deixá-la no berçário. Liguei para o médico e fiz um tratamento para que eu voltasse a produzir leite.

Fiz questão de alugar uma máquina para bombear o leite enquanto estivesse no trabalho para que a Amelie conseguisse completar os seis meses de aleitamento exclusivo. Foi realmente uma vitória, mas ela não ganhava peso e o pediatra dela achou melhor introduzirmos outros alimentos um pouquinho antes dos seis meses.

Pronto. Foi só colocar uma frutinha na boca que meu seio perdeu toda a graça. Ela começou a recusar o seio durante o dia e só mamava antes de dormir e ao acordar. Até que um dia, quando ela tinha uns 8 meses,  colocou a boca no seio e teve uma ânsia horrorosa. Sim, teve ânsia de vômito. Jesus, meu coração ficou em pedaços, mas eu não forcei. Foi ela que resolveu parar de mamar.

Sei que a recomendação é amamentar até que o bebê complete dois anos ou mais. Mas o que a gente faz quando a criança não quer mamar?

Mesmo com o desmame meio precoce, amamentar foi uma das coisas mais prazerosas que eu já fiz e eu sinto falta de ter esse contato tão especial com minha pequena. =)

Enfim, o meu recado é: se você tem um bebê, aproveite esse período e amamente o máximo que puder. No começo pode ser difícil acertar a pegada, mas assim que o fizer, você não sentirá dor ou qualquer incômodo. Não tenha medo de colocar quase toda a parte da aréola na boca do bebê. Ele não vai engasgar. Na verdade, isso facilitará o trabalho dele e vai evitar que você sofra com rachaduras, sangramentos e infecções.

Ainda no hospital, se tiver alguma dúvida, pergunte para as enfermeiras. No meu caso, elas foram incríveis e me ensinaram a pega correta e inúmeras posições possíveis para que a Amelie conseguisse mamar. 


Em um momento descontraído



Amamentando em uma festa de casamento

Um comentário:

  1. é verdade... é um prazer iniguálavel...
    Vale a pena, por eles e por nós mesmas!!!
    bjs

    ResponderExcluir