segunda-feira, 31 de maio de 2010

Descanso merecido? Ao contrário. MUUUUITO trabalho!

O médico resolveu não arriscar e marcou a cesária. Minha intenção era segurar a barriga até dia 8 de junho, mas a cirurgia ficou marcada para dia 01 uma vez que minha placenta poderia não aguentar.

Então, dia 21 de junho foi meu último dia de trabalho. Devo confessar que saí orgulhosa por ter aguentado trabalhar até o finalzinho da gestação. Ao mesmo tempo, bateu aquela insegurança de ficar sem trabalhar até novembro. Será que eu vou desaprender tudo??

Em vez de descansar (como todo mundo ficou falando pra eu fazer), eu preferi me manter ativa. E tinha 1001 afazeres! Durante a semana, fui fazer supermercado para abastecer os armários da minha nova casa, pintar o apartamento (sim, eu pintei uma parede!), arrumar prateleiras, armário de cozinha. Além disso, tinha que preparar as malas que eu levaria para a maternidade, arrumar o cantinho dela... Enfim! Foi uma semana super corrida e pesada.

Eu fiz isso porque sou o poço de ansiedade em pessoa. Eu era daquelas crianças que não dormiam quando tinham passeio para o zoológico. Imagine como eu ficaria se eu tivesse me jogado ao ócio? Certeza que eu ficaria a semana inteira sem dormir.
Na segunda-feira, dia 31, ainda fui preparar a lembrancinha de nascimento da Amelie. Muffins de pé de moleque, em homenagem aos festejos juninos. Passei o dia cozinhando, amarrando bolinhos e no final do dia, o Dan passou em casa para me pegar. Dormimos abraçados, contando os minutos para o momento em que nossas vidas mudariam para sempre!

segunda-feira, 10 de maio de 2010

Sombra e água fresca? Eu quero!

34 semanas completas. Ou seja, falta pouco para ter a pequena Amelie nos braços!

Desde que o diabetes chegou e eu comecei a seguir o regime, me senti 10 vezes melhor. Deixei de passar mal em metrô, ônibus ou lugares aglomerados, ganhei pique para andar por aí e voltei a dormir melhor. Além disso, comecei a falar para todo mundo que eu agüentaria o tranco de casa-trabalho-casa até a véspera do parto. Acho que eu subestimei o final da gravidez.

Eu sou uma pessoa hiperativa. Gosto de fazer mil coisas ao mesmo tempo, adoro ter minha cabeça funcionando. Mas de que adianta tudo isso se o corpo não responde mais com o mesmo vigor?

Minha coluna tem me matado, não tenho dormido direito. A Amelie já está grandinha (41 cm e 2,2kg) e se mexe o dia todo. Isso significa que ela fica brincando com meus órgãos internos durante o que? Umas 10 horas do meu dia! Meus pensamentos ficaram dispersos e minhas preocupações se modificaram radicalmente. Agora, eu só penso no bem-estar da neném, nas coisas que eu preciso fazer para que ela fique bem assim que nascer. Adotei minha agenda como uma memória externa. Senão, como ficam minhas contas, meus afazeres?? É uma loucura minha gente!

Hoje tenho consulta médica. Vou perguntar quais as chances reais de ter um parto normal ou se ele não vai querer arriscar e vai tentar uma cesárea (o que não me agrada muito, mas ok). Estou pensando em sair de licença até o final do mês. Embora eu adore trabalhar, sair por aí e bater perna, sinto que preciso descansar a carcaça antes que ela saia daqui de dentro.