terça-feira, 16 de junho de 2015

Sobre alimentação dos meus filhos

De verdade, eu nem sei por onde começar esse post. Tenho tanta coisa pra falar sobre o assunto que nem minha capacidade de organização jornalística está dando conta de e priorizar as informações. Pra mim, tudo o que eu vou dizer aqui é importante e se eu pudesse resumir a mensagem em apenas 1 frase eu diria:

Nunca, de maneira alguma, se meta na educação  de uma criança. E alimentação é questão de EDUCAÇÃO.


Sou da opinião de que filhos a gente cria para a vida. Mas, primeiro, eu preciso municiá-los de conhecimento, informação e hábitos que possam facilitar seu caminhar. E enquanto eles não tiverem idade para tomar decisões conscientes somos nós, os pais, que decidimos sobre toda e qualquer coisa relacionada à vida deles. Incluindo a alimentação.

E é impressionante como temos o hábito cultural de não respeitar essa decisão dos pais. E não é questão de não concordar - o que é perfeitamente saudável, afinal, o que é bom pra mim pode não ser pra você - mas as pessoas faltam com respeito MESMO. 

No final de maio, a fofa da Bela Gil publicou em seu perfil do facebook a foto da merenda escolar da filha. 
O que é que tem de errado em alguns pedaços de banana, batata, granola e água? Aparentemente tudo! Os comentários que se seguiram à publicação foram assustadores e teve gente XINGANDO a Bela Gil.  Escolhi trazer dois deles que me chamaram a atenção - e que parecem inofensivos.

480 likes, ou seja, 480 pessoas concordaram que, para crescer como gente "normal" é preciso tomar toddynho e comer Ana Maria. Sério isso?


Depois que eu descobri a alergia das crianças (inclusive da Amelie) eu me vi rodeada de pessoas com dó: ai, que dó! Você não pode comer fora? Mas nem um queijinho? Puxa, que dó. Ficar sem chocolate deve ser tão triste - e elas falam isso inclusive para a Amelie, como se ela fosse vítima de uma monstruosidade, que a impede de comer as melhores coisas da vida.

Agora deixa eu contar uma coisa pra vocês: Desde que eu comecei a dieta, a alimentação de todo mundo lá em casa melhorou muito. Fico assustada ao pensar na quantidade de industrializados que consumíamos achando que nossas refeições eram saudáveis. Por isso, não tenha dó. Eu ralo a minha bunda pra oferecer o que há de melhor em questão de alimentação para meus filhos e não tem nada de triste nisso. Mas não significa que  a gente não coma uma guloseima ou outra de vez em quando. Amelie adora uma bala (e tenho certeza de que, se ela pudesse, comeria quilos todos os dias). Gostamos de comer hambúrguer, pastel ou batata frita. Mas não é algo que quero ingerir toda hora. Foi uma escolha da MINHA FAMÍLIA e ninguém tem nada a ver com isso. Ponto.

Em casa eu consigo ter esse controle e saber exatamente o que meus filhos consomem. Mas e quando eles precisarem sair, ir para escola, frequentar a casa de parentes? Isso me preocupa especialmente agora, que descobrimos que temos um pequeno pelotão alérgico em casa. E sabe por quê? As pessoas têm o hábito de oferecer comida a crianças sem antes consultar seus pais ou desobedecer orientações claras. E quando o assunto é alergia, as consequências podem ser bem graves. 

Ontem, uma amiga mãe de alérgico viveu uma situação apavorante. Ela estava em uma loja com o bebê alérgico e uma consultora deu chocolate para a criança sem consultá-la. O resultado? Basta ler o depoimento dessa mãe:


Amelie passou 4 anos consumindo leite e derivados sem que a gente soubesse que isso era veneno para ela. Suas reações são tardias e impactam diretamente em seu sistema respiratório e, por isso, não são tão visíveis. Isso dificulta muito o entendimento de que sim, ela é alérgica e que não, ela não pode mais ingerir alimentos que contenham proteína do leite.

Já os meninos, aparentemente, não reagem de maneira grave e imediata - mas eu também não paguei pra ver. Provavelmente a primeira ingestão de leite será feita em hospital, com presença de médicos, para garantir que eles não corram risco de vida.

Não posso colocar uma placa no pescoço deles alertando sobre a alergia. Não posso também querer que as pessoas deduzam que eles são alérgicos e não podem consumir uma série de alimentos (leite, derivados, ovo, soja e oleaginosas). Por isso eu decidi escrever: eu espero que pelo menos meus amigos, parentes e pessoas próximas repeitem a decisão de qualquer pai quando a questão é alimentação. Por favor, consultem os responsáveis antes de oferecer QUALQUER coisa a uma criança. E se eles disserem que não é pra dar, não façam escondido e pedindo segredo "ó, vou te dar esse copo de refrigerante, mas não conta pra sua mãe que eu te dei!".

Respeito e educação são bons e a gente gosta.