terça-feira, 25 de fevereiro de 2014

Corram para as colinas!!!

Mal cheguei na 11ª semana de gestação e a barriga de grávida (aquela que eu fiquei rezando para aparecer logo na gravidez da minha pequena Amelie) já tá toda aparecida. Já está redondinha, mas como minha calça jeans ainda me serve (e eu pretendo usá-la até que ela não passe mais do meu quadril), fico parecendo que estou enorme de gorda, com pança de chopp e torresminho.

"Mas amor, você está grávida!!!" - disse outro dia o meu marido.

Ah sim, é lindo ficar grávida. É realmente uma dádiva de Deus. Mas o que não é lá tão especial são os efeitos colaterais da liberação monstruosa de progesterona pelo meu ovário para manter a gravidez. Fora a flacidez dos músculos e ligamentos, é o hormônio que me fode de náuseas e enjoôs e me deixa assim, com um humor MARAVILHOSO. 

A galera também não ajuda e a família é especialista em arruinar todo e qualquer vestígio de auto-estima que, por ventura, estiver sobrando neste ser que vos escreve: "mas olha o tamanho do seu quadril!! Gente, mas esses peitos daqui a pouco vão te sufocar. Ai, tadinha. Vai ficar ENORME. Já imaginou o tamanho da sua barriga?"

Penso no tamanho que minha pança vai ficar TO-DO-SAN-TO-DI-A. tenho noção de que terei estrias até na dobra da orelha. Se já estou toda dolorida agora, não quero nem ver quando chegar ao sétimo mês.

Sim. Tô meio de mau humor. Tudo culpa da progesterona. 




segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014

São Gêmeos!

Cheguei para a ultrassonografia com antecedência. Embora não fosse a primeira vez que eu passava por este exame, eu estava sim um pouco ansiosa. Queria saber se estava tudo bem com o bebê dentro da minha barriga (que já estava saliente).

Assim que o exame começou, já consegui identificar o saco gestacional e o feto, tão pequeno e tão lindo. Foi só a médica mexer o aparelho de ultrassom para que eu percebesse o outro saco gestacional e outro feto (?). Mas eu achei que era impressão minha. 

- Você tá calma mãe?
- Por que? São dois?
- Sim, são gêmeos.




Por uma fração de segundos, meu coração parou. As lágrimas foram automáticas. Um riso nervoso me acompanhou o dia todo. Eu não acreditava que não tinha um, mas dois bebês na barriga.

(Bom, isso explica os enjoos surreais que tenho tido. eles vem com uma força avassaladora e tudo o que eu quero é ficar deitada na cama. mas, como? eu tenho uma criança de 3 anos!!!. explica também a barriga saliente. tô gordinha, mas não é pra tanto. sério. não, não fiz tratamento para engravidar. só a boa e velha fórmula da prática até a perfeição. é dessa vez eu acho que a gente se superou... tem caso na família, mas é bem longe. minha bisavó teve gêmeos. e só. e a força da hereditariedade  - e porque não do destino? - nos faz pensar no enxoval para dois. e os nomes? não tínhamos nomes de meninas pré-definidos e agora precisamos pensar em diferentes combinações menina|menina, menina|menino, menino|menino. e o quarto? como a gente vai acomodar 3 crianças em um apartamento tão pequeno? o que vamos fazer com todos os brinquedos da Amelie? não vai caber tudo aqui. e o carro? será que cabem 3 cadeirinhas no carro? e a escola? já imaginou pagar escola para 2? para 3?? e a faculdade? plano de saúde? será que eu vou aguentar trabalhar até o final? será que eles serão prematuros?  será que eu vou engordar muito? MEUDEUSDOCÉU quando é que esse enjoo vai parar e eu vou voltar a ser uma pessoa normal???????)

Estamos felizes. Muito. Em dobro! Mas agora eu só quero que o enjoo passe. Já falei que eu tô enjoando MUITO???

segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014

Irmã mais velha

Passei numa loja infantil perto do trabalho e comprei um pijaminha lindo para ela. Mandei embrulhar e coloquei o laço mais bonito que eu poderia ter encontrado.

Eu estrava apreensiva, pois não sabia como ela iria reagir. E como eu deveria reagir à reação dela? Essas reações em cadeia estavam me preocupando.

Cheguei em casa e fui recebida com um abraço gostoso, cheio de amor, como todos os dias. Logo que ela viu o embrulho, perguntou de quem era o presente:

- É seu, meu amor - eu disse.

- Mas é meu aniversário?

- Não. O presente é porque a partir de hoje você é uma irmã mais velha. 

O brilho dos olhos dela foi inexplicável. Rapidamente, abriu o embrulho e quis colocar o pijama. Saiu de perto, foi para seu quarto e me chamou:

-Mamãe, venha ver o pôr do sol!!!! Olha como está cor de rosa!

Me aproximei da janela e ficamos olhando o céu. 

- Mamãe, hoje é um dia realmente muito especial, não é? - disse, me dando um beijo na bochecha e outro na barriga.

- É meu amor. Hoje é um dia muito especial - balbuciei, entre lágrimas de felicidade.