terça-feira, 23 de novembro de 2010

Cão raivoso



Já faz quase 1 mês que voltei a trabalhar e nesse meio tempo descobri como é árdua a tarefa de conciliar a vida de mãe, dona de casa e profissional. Eu até procurei duendes que topassem um regime escravo, mas não achei. O trabalho doméstico ainda continua por fazer e eu tenho ficado cada dia mais cansada.

Um dos pontos positivos da minha volta ao trabalho é o trabalho em si. AMO trabalhar, AMO estar com a cabeça a mil, entrevistar pessoas, escrever. Mas eu tenho pensado seriamente se esse amor à profissão compensa (sim, porque o salário não é lá essas coisas). 

Ficar o dia todo sem ver minha pequena é realmente um sacrifício. Claro que eu não quero que ela fique grudada em mim para sempre. Mas ela é ainda tão pequena para ficar longe por tanto tempo...

Assim como eu, ela também sente nossa separação e isso fica claro quando eu chego em casa. A primeira coisa que ela quer é mamar no peito. E depois, quer brincar, fica conversando e não quer sair do meu colo. Parte meu coração ver essa carência dela.

O Dan até ajuda nas tarefas de casa, mas a verdade é que o pesado acaba ficando pra mim. Além disso, tenho um defeito muito grave: Sou perfeccionista. E quando sei que a pessoa não vai fazer as coisas do jeito que eu faço, prefiro nem designar a tarefa.   E isso é um problema quando se tem pouquíssimo tempo e muita coisa pra fazer.

O resultado disso tudo é que eu ando num estado horroroso de estresse. Não consigo controlar meus ataques nervosos e tenho medo de morder a galera que chega muito perto de mim. Devia comprar um colar com os dizeres: Cuidado, cão raivoso.


                                                                                                                                                                                                               

domingo, 14 de novembro de 2010

Oi, eu sou a Amelie!!!


Quem subestima a inteligencia dos bebês não sabe o que está perdendo. São ações sutis que demonstram toda esperteza e perspicácia dos pequenos. Além disso, é possível perceber também traços de sua personalidade – que eu acredito ser inata.

Sexta-feira eu trabalhei de casa para poder cuidar da Amelie. E ela ficou em êxtase quando percebeu que não iria para o Berçário. Embora estivesse super caidinha por conta da dor de ouvido, ela estava toda cheia de sorrisos e carinhos comigo. Não podia sair de perto dela. Ela queria colo a todo momento, queria conversar comigo e participar das coisas que eu estava fazendo.

Ao mesmo tempo que essas atitudes são fascinantes, eu senti a força que minha ausência tem na vida dela. Fiquei pensando se essa coisa dela não melhorar da gripe tem a ver com a necessidade dela ficar comigo. Será que eu estou superestimando minha presença em sua vida?

Nesses dias que passei mais tempo com ela (mais do que as 1h30 que tenho passado durante a semana), percebi também o quanto ela se desenvolveu. Ela já aprendeu a recusar o que não gosta e pedir as coisas com muito mais propriedade. Só está faltando pronunciar as palavras, porque a pequena sabe se expressar.

Aos poucos ela está se mostrando pra mim. O meu papel é apenas educá-la e direcioná-la para o melhor caminho, pois acredito que ela já nasceu sabendo quem é e a que veio!







quinta-feira, 11 de novembro de 2010

E a gripe continua

To arrasada.
Hoje, ao chegar em casa do trabalho, fui direto falar com minha pequena. Diferente dos outros dias, ela não riu, não fez festa. O Dan me disse que fazia um tempo que ela estava chorando.

Pediu o peito e eu dei. Ela tirou um pequeno cochilo e acordou chorando. Decidi adiantar o banho, achando que ela já queria dormir de vez. No banho, chorou mais ainda. Alto, forte e com um tom desesperador. Só podia ser uma coisa: dor. Mas onde?

Acalmei ela e o primeiro lugar que chequei foi o ouvido. E ela abriu o berreiro.

Eu estava evitando ir ao Pronto Socorro, mas dessa vez não deu pra segurar. Chegamos ao hospital e não demorou muito para sermos atendidos pelo pediatra. Falei para ele que achava que a Amelie estava com dor de ouvido.

Ele perguntou quantos filhos eu tinha e quando eu disse que era só ela ele deu uma risadinha e falou: "Então vamos ver se a mãe de primeira viagem acertou!"

Ele olhou o ouvido dela e soltou um: "Na mosca, mamãe!".

Explicou que a inflamação era, provavelmente, por conta do catarro que ficou acumulado da gripe. Recomendações: Compressa quente, cabeceira do berço levantado, remedinho pra dor, rinossoro no nariz e NADA de friagem.

ODEIO ver a Amelie sofrendo.=/
Mas com os cuidados certinhos ela vai melhorar. E essa gripe dos infernos que vá embora de vez.

terça-feira, 9 de novembro de 2010

Débuts


Minha pequena dormindo
Parece que a Amelie decidiu ter vários débuts em uma única semana. Ontem foi a vez da febre, que veio complementar o quadro de gripe que se instalou no corpinho da minha pequena durante o final de semana. 

Domingo até pensei em levá-la ao Pronto Socorro. Mas se tem uma coisa que aprendi conversando com médicos é que PS é lugar de pacientes emergenciais e não de bebês com gripe. Porém, mãe é aquela coisa, né? Basta um nariz escorrendo para que a gente fique extremamente preocupada.

A solução provisória que encontrei foi seguir as recomendações que o médico tinha sugerido da última vez que ela gripou: rinossoro, aspirar o narizinho, um pouco de inalação só com soro e muito carinho. Mas ela foi entupindo, entupindo até culminar na elevação da temperatura.
Quando as meninas do berçário me ligaram para avisar que ela havia piorado, saí voada do trabalho. Acho que nem prestei muita atenção na hora de atravessar a rua. No caminho fui ligando para o Dan, para o médico e pedi uma mão pra minha mãe. 

Depois que o médico a avaliou, fiquei mais tranquila. Se eu tivesse esperado mais um pouco para medicá-la, talvez o diagnóstico fosse mais preocupante. Mas logo ela foi melhorando, ficando mais espertinha e dormiu beeeeeem melhor do que ontem. 

Outra coisa importante é que ela vai começar a comer papinha salgada na hora do almoço! Ela ganhou pouquíssimo peso desde a última vez que visitamos o pediatra. Então, ele achou por bem começarmos a dar mais sustança para a pequena. O menu de hoje é papinha de cenoura, mandioquinha e espinafre com caldinho de carne. Hummmm. Espero que ela goste, pois deu um trabalhão pra fazer (sabe comé mãe de primeira viagem).

Acabei de ligar no berçário e tive a excelente notícia de que ela está bem, tomou todo suco que mandei. Ótimo! Significa que o apetite dela voltou! Mais tarde vou dar uma de mãe chata e ligarei de novo pra saber como ela está. Corpo no trabalho e coração na filhota – sempre!

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Volta ao trabalho e primeira assadura


Ontem eu voltei a trabalhar. Foi bom rever pessoas queridas e reiniciar minhas atividades profissionais. Porém, eu deixei de ficar com minha pequena. Ontem foram apenas 1h30 com ela. Hoje a mesma coisa.

Tenho que dizer que é muito duro deixar de ficar com ela. Toda hora imagino se ela comeu, se ela está bem, se está feliz. E, para minha triste surpresa, ela ganhou sua primeira assadura. Fiquei arrasada.

Não sei se é porque ela começou a comer frutinhas e o cocô e o xixi ficaram mais ácidos ou se foi descuido das moças do berçário. Ainda percebi que elas não usaram a pomada que eu mandei. FODA. Amanhã vou alertá-las quanto a esses fatos. Mas como falar isso de um jeito amigável? Morro de medo de que elas judiem dela se eu exagerar muito na “bronca”. Além disso, cheguei hoje em casa e ela estava simplesmente faminta. Jesus. Como é difícil.

Eu tenho demorado muito para chegar em casa. No mínimo, 2 horas (algo inevitável com o trânsito de São Paulo). Penso todo dia se a jornada realmente compensa. Quero ganhar na loteria. Só assim pra melhorar as coisas.


segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Coisas de Amelie: 5 meses


Hoje nosso bebê completou 5 meses. E nós não poderíamos estar mais felizes com sua presença em nosso dia a dia! Assistir ao seu desenvolvimento é algo mágico. Então, como faço todo mês, aí vão as novas habilidades da Amelie:

  • Ainda acorda às 4 horas da manhã para mamar. Mas eu já não estou ficando tão cansada.
  • Dá gargalhadas com mais frequência.
  • Já se vira pela cama.
  • Consegue pegar e soltar objetos conscientemente
  • Começou a comer papinha de frutas a tarde. Já comeu pêra e banana. AMOU a banana, diga-se de passagem.
  • Faz 2 semanas que está no berçário e já fez novos amiguinhos.
  • Já pega o pezinho enquanto eu troco sua fralda
  • Desde que nasceu, já foi a 2 festas de casamento. Semana que vem tem a terceira!
  • Fica quietinha quando eu tenho que cortar suas unhas.
  • Pegou seu primeiro resfriado semana passada
  • Adora um espelho
  • Tem ficado com a mão na boca o tempo todo. Sinal de que os dentinhos estão chegando
  • Adora dormir segurando minha mão ou a do pai
  • Aprendeu a fazer uma manha de dar gosto. Já chora lágrimas de crocodilo e quando percebe que a mamãe aqui sacou a malandragem, começa a rir
  • Acorda de muito bom humor.
  • Passou a usar fraldas M.
  • E a partir de quarta-feira, vai ver a mamãe aqui com menos frequência (Por mais que eu esteja conformada com a volta ao trabalho, ainda estou de coração partido)