quarta-feira, 15 de junho de 2011

Mãe, bebê e metrô

Hoje eu e a Amelie fomos dar um superhipermega cansativo passeio de metrô. Na verdade, eu precisava ir até meu antigo emprego para buscar alguns documentos e o resto do meu salário. Aproveitei o dia bonito, preparei uma pequena mala, coloquei a Amelie no meu inseparável sling e parti com meu bilhete único na mão.

Subir na lotação foi moleza. Logo umas 3 pessoas se levantaram para me ceder o lugar. A pequena foi olhando o céu, tagarelando seu bebês indecifrável e fazendo gracinha para todo mundo que olhava para ela.

No metrô a coisa já ficou esquisita. Primeiro que a mamadeira de água dela abriu na bolsa e, além de molhar tudo o que estava dentro, molhou também minha roupa. Uma delícia tomar um banho desse com uma temperatura que beirava uns 15 graus! Além disso, digo que é preciso ter braço para segurar uma criança decidida a colocar todos os ferros do metrô na boca. Foram umas 14 estações tentado conter a empolgação da pequena!

Depois, precisei andr uns 6 quarteirões a pé. Na descida foi moleza, mas a subida foi cruel. Eu já estava completamente acabada e o sling, que costuma me salvar nessas situações, não estava mais adiantando. A pequena já estava irritada e queria ir para o chão.

A volta de metrô já estava mais cheia, mas assim que entrei no vagão, Juro! Umas 3 ou 4 pessoas se levantaram para me oferecer lugar. Quando eu estava grávida, muitas vezes tive que esfregar a barrigona na cara de dorminhocos fingidores para conseguir descansar a carcaça. Hoje, percebi que crianças são muito mais vantajosas nesse caso. Elas são fofas e despertam compaixão, enquanto que as grávidas estão gordas, inchadas, mal humoradas e despertam desconfiança, afinal, quem garante que não é só gordura? (juro que eu ouvi esse absurdo uma vez!!)


Bem, nem preciso dizer que a Amelie dormiu e, exausta, perdeu grande parte do trajeto da volta pra casa. Mamãe ainda chegou em casa e foi preparar a janta da pequena, organizar as roupas para o banho e ainda tive pique para ir a um restaurante com o maridão e a pequena, claro.


Quem disse que eu preciso de academia? bye bye, gelatina do tchau (pq vamos combinar que chamar isso aqui de músculo seria muita audácia da minha parte!!!!)

Nenhum comentário:

Postar um comentário