quarta-feira, 9 de março de 2011

Quarta-feira de cinzas. E a gente tá só o pó!

Finalmente, quarta-feira de cinzas. E, pela primeira vez em toda minha vida, não estava nem um pouco ansiosa pelo carnaval. Tínhamos planos de passar o feriado na praia, levar a Amelie para conhecer o mar. Mas uma imprevisibilidade um tanto quanto cruel resolveu cruzar a porta de casa.



Desde segunda-feira passada que a Amelie não estava bem. Ficou com um pouco de febre e um sapinho estourou na boca. Levei ao pediatra, que receitou uma pomada e acalmou meu coração.


Na quinta-feira, a pequena piorou. Começou a ter um febrão louco e a vomitar absolutamente tudo o que colocava no estômago. Na sexta-feira, tive que arrumar um outro pediatra (porque o da Amelie foi para um congresso e ficamos a ver navios). Ele olhou, constatou um pouco de irritação na garganta e uma leve otite. Os vômitos seriam por conta da tosse. “Mas nada para se preocupar, mãe”, ele disse.


Voltei para casa ainda preocupada com os vômitos e depois de um dia inteiro sem comer ou beber quase nada, decidimos levá-la ao hospital. Detalhe para o fato de que estamos sem plano de saúde e a levei a um pronto socorro público, no meio do feriado. Juro que se ela não estivesse tão mal eu teria esperado.


Até que a experiência não foi de todo ruim, a não ser pelo fato de terem furado a pequena diversas vezes. Ela estava desidratada e ficou no soro por mais de 2 horas. A médica suspeitou de infecção urinária, mas depois dos exames de urina e sangue, ficou constatada uma virose. Das brabas.


Antitérmico, dramin para conter os enjôos e soro caseiro. Essas foram as considerações da pediatra. Eu estava um caco, sem dormir desde quinta-feira. Domingo ainda foi muito ruim. A febre não cedia por nada e para conter a temperatura, banhos mornos a cada hora. Pelo menos ela estava aceitando a mamadeira sem colocar tudo para fora.


Acho que rezamos tanto que a Amelie melhorou. Segunda-feira acordou batendo palmas e arriscou um sorriso. Mas ainda estava com olheiras e um olhar cansado que só vendo. Não sei nem como descrever o que a gente passou nesses dias. Embora o cansaço estivesse gigantesco, eu não consegui pregar o olho, com medo que nossa pequena vomitasse enquanto tirava um cochilo. Com medo de que a temperatura corporal dela aumentasse muito. O medo foi nosso companheiro de carnaval.


Com a melhora repentina da Amelie, eu e o Dan decidimos fazer um bate-volta até a praia. E foi uma das melhores coisas que poderíamos ter feito. A Amelie passeou um pouco, a gente se distraiu um tantinho e tiramos toda essa nhaca que vêem nos rondando.


Mas de ontem pra hoje o Dan ficou muito ruim. Passou mal a noite toda, vomitou a vida e agora está deitado, descansando.


Como vocês podem ver, o carnaval não foi muito fácil aqui em casa.

Um comentário:

  1. Nossa Isis, que chato... Quando eles ficam doentinhos é terrível mesmo. Espero que agora todos já estejam melhor.
    Beijos

    ResponderExcluir