quinta-feira, 9 de setembro de 2010

Os primeiros 3 meses


Assim como acontece na gravidez, as primeiras 12 semanas de vida de um bebê são críticas. Não para a criança (que recebe todo carinho e atenção do universo), mas para a mãe, que precisa se adaptar a uma rotina totalmente diferente da que estava acostumada. As mudanças no corpo interferem no processo, mas em vez de se preparar para ficar maravilhosa, a lactante dá adeus ao brilho endeusador que a barrigona lhe proporcionou e incorpora um ar de zumbi nada favorecedor.

Depois que eu passei a amamentar, compreendi a reclamação sobre os peitos murchos. Eles ficam caidinhos mesmo. No meu caso, outras coisas complementaram essa nova mudança. Minha barriga está incrivelmente flácida, as olheiras não somem nem com a melhor maquiagem e estou ficando careca. Tufos e tufos de cabelo não param de cair da minha cabeça. Minhas roupas estão esquisitas fazendo com que eu tenha vontade de jogar meu guarda roupa no lixo.

Além do pouco tempo de sono, a nova mãe ainda tem que tentar decifrar o que seu bebê está sentindo. Choro de cólica é diferente de choro de sono ou fome. Mas qual é qual?? Pode não parecer, mas isso é o que cansa de verdade. Ficar em constante alerta me deixou completamente estafada.

Porém, conforme o tempo foi passando, as novidades se incorporaram à rotina e parece que as coisas começaram a entrar no eixo. Assim que a Amelie completou 3 meses, decidiu que seria uma mocinha. Passou a dormir grande parte da noite, deixou de ter cólicas e suas preferências ficaram muito mais claras. Parece que a gente se entende muito mais.

Sinto que ela me observa, tenta tocar em meu rosto e exige sempre minha atenção. Eu tenho ficado mais descansada, mais disposta e menos estressada. Não senti mais vontade de fugir do mundo. Aliás, agora eu quero viver cada segundinho e guardar na memória todos os momentos que tenho passado.

Claro que essa mudança toda pode ter sido proporcionada pelo re(des)equilíbrio dos meus hormônios (portanto, esse relato pode ser de uma mãe que estava levemente fora de si). Mas é fato. Estou curtindo a maternidade com muito mais intensidade e tranquilidade. E que venham os próximos meses, anos e muitas novidades!

2 comentários:

  1. Mas é assim mesmo, Zi. Seu relato é absolutamente normal. Quando nasce um bebê, nasce também uma mãe. E assim como ela está aprendendo a ser fiha, você está aprendendo a ser mãe...e aprendizado leva tempo. Às vezes, uma vida toda. bjo
    Paloma e Isa

    ResponderExcluir
  2. "A Menor Casa Da Rua", um blog com dicas e muito mais para os pequenos moradores, confira:
    amenorcasadarua.blogspot.com

    ResponderExcluir